Sites Grátis no Comunidades.net
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
Ultimas Atualizações
Home  (16-01-2018)
Cultos Gravados vídeo  (11-05-2016)
2013 ano da Conquista.  (28-01-2016)
Vale de Acor  (28-01-2016)
Obras da carne  (24-01-2016)
Frutos do Espírito  (24-01-2016)
Vivendo no Sobrenatural  (18-01-2016)
Guardando o coração  (18-01-2016)
Jesus, o Incomparável  (18-01-2016)

Rating: 2.9/5 (3706 votos)




Partilhe esta Página

 

 

 


 
 

 


 

 


 


 


Flag Counter
 


 


Ambiente de Paulo
Ambiente de Paulo

O Ambiente de Paulo

Paulo estava consciente de que devia três  lealdades temporais. Como jovem judeu, ele recebera educação ministrada apenas aos jovens de futuro e foi educado aos pés de do grande mestre judeu, Gamaliel. Poucos podiam se orgulhar de ter mais instrução do que Paulo no que dizia respeito à educação religiosa judaica e poucos se aproveitaram tanto quanto ele na educação que recebeu ( Fp 3:4-6). Era ele também cidadão de Tarso, a principal cidade da Cicília, “cidade não insignificante” (At 21:39). Era também cidadão romano livre (At 22:28) e não tinha duvidas em usar os privilégios de sua cidadania romana quando estes privilégios podiam ajudá-lo  em sua missão por Cristo ( At 16:37; 25:11)

O judaísmo foi seu ambiente religioso anterior a sua conversão; Tarso foi sal grande universidade e sua atmosfera intelectual, o palco dos primeiros anos de sua vida; e o Império romano foi o espaço político em que viveu e agiu.

Este ambiente político  não parecia Sr tão favorável a alguém para a proclamação do evangelho. César Augusto provocou a decadência da República, exceto para a política, quando estabeleceu em 27 a.C. uma diarquia em que dividiu nominalmente o controle do estado com o senado. Infelizmente, seus sucessores não tiveram a habilidade nem a moral de Augusto e governaram mal. Calígula (37-41) esteve louco durante parte de seu governo; Nero (54-68), sob quem Paulo foi martirizado e a Igreja enfrentou sua primeira perseguição, era um homem cruel e sanguinário que não titubeou em matar seus próprios membros da família. Entretanto, Cláudio (41-54) foi um excelente administrador e o Império conseguiu se estabilizar em seu governo. Foi em sua administração que Paulo fez a maioria de suas viagens missionárias.

A situação moral e social era mais assustadora do que a política. A pilhagem do Império criou uma classe alta rica de novos aristocratas que tinham escravos e dinheiro para satisfazer seus muitos desejos legítimos e ilegítimos. Esta classe desdenhava de certo modo a nova religião e viam seu apelo às classes pobres como uma ameaça à sua pregação do Evangelho feita por Paulo na prisão em Roma (Fp 1:13)

Paulo enfrentou também a rivalidade de outros sistemas de religião. Os romanos eram de certo modo ecléticos em sua vida religiosa e se dispunham a tolelar toda a religião  desde que não proibisse seus seguidores de participar no culto do Estado, que misturava o culto ao imperador com o velho culto do estado republicano e exigia  a obediência de todos os povos do Império exceto aos judeus, que por lei eram isentos destes rituais. Aos cristãos não se concedeu tal privilegio e  eles tiveram que enfrentar o problema da oposição do Estado. As religiões de mistérios subjetivistas de Mitra, Cibele e Ísis pediam a associação de muitos outros no Império.O judaísmo, de quem o cristianismo foi distinto como seita separada, enfrentou uma oposição cada vez maior.

Os intelectuais romanos aceitavam os sistemas filosóficos, como o Estoicismo, o Epicurismo e o Neo-pitagorismo, que sugeriam a contemplação filosófica como o caminho da salvação. O estoicismo , com sua interpretação panteísta de Deus, sua concepção e leis éticas naturais descobríveis  pela razão e sua doutrina da paternidade de Deus e fraternidade do homem, parecia dar um fundamento filosófico para o Império Romano. Alguns imperadores, como Marco Aurélio (161-180), aceitaram suas formulações éticas.

Paulo teve que enfrentar este confuso cenário religioso com o simples Evangelho redentor da morte de Cristo. A Arqueologia nos ajuda a datar pontos-chaves na vida e obra de Paulo. Paulo esteve em Corinto 18 meses quando Gálio tornou-se procônsul ( At 18:12-13). Uma inscrição em pedra, descoberta em Delfos, menciona que Gálio começou seu trabalho na Ásia no 26° ano de Claudio, que foi 51 ou 52 d.C Outras datas em sua vida podem ser calculadas a partir desta acuracidade.

A conversão de Paulo foi também um evento histórico objetivo. Ele falou dela como tal em ICo 9:1 e 15:8 e em Gl 1: 11-18. Ela aconteceu no seu encontro com Cristo na estrada de Damasco (At 9:22;26) Esta experiência foi vital para seu trabalho missionário, seu escritos e teologia.

Trecho do livro Cristianismo Através dos Séculos (EARLE.E.CAIRNS pg 49-51)